Sobre

O projeto de pesquisa “Inteligência Esportiva” (IE) é uma ação conjunta entre o Centro de Pesquisa em Esporte, Lazer e Sociedade (CEPELS) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento (SNEAR) do Ministério do Esporte. Esse projeto surgiu em 2013 com o objetivo de produzir, aglutinar, sistematizar, analisar e difundir informações sobre o esporte de alto rendimento no Brasil e analisar as políticas públicas para o esporte de alto rendimento. Como objetivos específicos, este projeto visa: (1) definir variáveis e indicadores necessários à construção de um banco informacional sobre o esporte de alto rendimento no Brasil (notadamente das modalidades dos programas olímpico e paralímpico) que possibilite a melhoria da política de gestão e o suporte ao desenvolvimento do esporte de alto rendimento; (2) levantar a história das modalidades esportivas no Brasil; (3) interagir com organizações internacionais que sejam referências sobre informação esportiva; (4) levantar e analisar as produções científicas sobre o esporte olímpico e paralímpico; (5) analisar a efetividade da política de gestão do esporte de alto rendimento; (6) interagir com segmentos dedicados à produção e à disseminação do conhecimento esportivo; (7) organizar um cadastro de entidades dedicadas à produção e à disseminação do conhecimento esportivo; e (8) disponibilizar informações para quem trabalha, estuda, divulga e promove o esporte de alto rendimento brasileiro.

No campo da ciência e tecnologia o IE desenvolveu um banco de dados (big data), estruturado na forma de um grande conjunto de registros sobre o esporte de alto rendimento do Brasil. Sua utilização torna possível cruzar dados e gerar informações de modo rápido e preciso, auxiliando pesquisadores, gestores e profissionais do esporte (técnicos e atletas) sobre a compreensão das suas atividades. Atualmente o banco de dados conta com mais de 50 mil atletas e aproximadamente 5 mil instituições cadastradas, perfazendo um volume superior a 3 milhões de registros, oferecendo uma visão plena do esporte por meio da emissão de relatórios e mapas em diversos formatos. Para que os objetivos científicos e de cidadania (transparência) do Projeto possam alcançar a sociedade. Neste site, é possível encontrar as publicações e a produção científica dos integrantes do projeto, a produção acadêmica sobre esporte dos programas de pós-graduação no País, a história das modalidades esportivas e ferramentas de acesso aos relatórios do banco de dados do IE relacionados ao financiamento dos atletas por meio do Programa Bolsa-Atleta do Governo Federal.

Breve descrição dos subprojetos do IE

Rede Nacional de Treinamento

O intuito dessa pesquisa é servir como base para o desenvolvimento e qualificação da política pública ao contribuir na elaboração de um banco de dados, sistematizando e analisando as informações sobre o esporte de rendimento. Nesse projeto em específico o objetivo geral é identificar as instituições promotoras do esporte no Brasil. A literatura especializada indica que existem diversos fatores que podem ser o ponto de partida para iniciar uma pesquisa sobre a RNT, entendemos que o agente “atleta” assume uma posição central nesse processo; portanto, acaba por conectar a rede e passa a ser metodologicamente o foco desse estudo. Desde 2013, são retirados dos sites das confederações de diferentes modalidades individuais olímpicas  os principais resultados obtidos pelos atletas o que permite identificar os principais locais de treinamento, tais como: clubes, academias, prefeituras, órgão ligados às forças armadas, entre outras instituições que desenvolvem o esporte brasileiro. O Banco de Dados do IE nos auxilia na discussão da Rede Nacional de Treinamento ao propiciar relatórios dinâmicos, ao conectar os dados das instituições com outros fatores fundamentais, tais como o financiamento, o conjunto de pessoal de apoio especializado, o histórico do atleta, entre outros. A partir disso, é possível iniciar uma reflexão para discutir  e propor estratégias para o desenvolvimento do esporte de rendimento.

Bolsa-Atleta

O “Bolsa-Atleta” é um programa governamental, iniciado no ano de 2005, que visava, naquele momento, ampliar as fontes de financiamento esportivo no Brasil de forma distinta das ações que existiam até então, pois o financiamento seria direcionado ao atleta. O programa, desde o seu início, atendeu aproximadamente 24 mil atletas, distribuindo mais de 44 mil bolsas, tornando-se uma das principais políticas públicas de esporte do governo brasileiro. No subprojeto “Bolsa Atleta” estão sendo coletados dados relativos aos atletas contemplados desde o ano de 2005. As informações envolvem dados pessoais, valores recebidos, modalidades, regiões do país, unidades federativas, cidades e entidades. Estas informações estão sendo inseridas no banco de dados para uma posterior análise de inteligência. Nesse sentido, pode-se afirmar que o “Bolsa-Atleta” significa um avanço inegável ao esporte brasileiro, pois foi a primeira política federal a beneficiar financeiramente o atleta de maneira direta, e não somente as instituições que organizam e/ou controlam as modalidades. Outro ponto importante é que o programa cresceu de forma considerável, ao longo destes mais de 10 anos de existência, incorporando cada vez mais atletas.

Jogos Escolares

Os Jogos Escolares Brasileiros fazem parte da história do esporte em nosso país e têm mais de 40 anos de existência, mobilizando milhares de estudantes de todos os estados e regiões brasileiras. Tendo em vista sua relevância e tradição, tem-se realizado, por intermédio do Projeto Inteligência Esportiva, uma pesquisa que busca apresentar como esses eventos têm sido desenvolvidos desde o ano de 2005, momento que marcou a entrada do Comitê Olímpico Brasileiro como principal organizador, apoiado pelo Ministério do Esporte e das Organizações Globo. Os dados que estão sendo coletados incluem a relação de alunos e escolas participantes; o quantitativo de pódios alcançados por escola e estado/região em cada categoria; e o funcionamento e desenvolvimento do projeto, tais como as diretrizes e metas da ação, os recursos financeiros, humanos e físicos, a implementação, o acompanhamento e a avaliação. Espera-se que, por meio dessa investigação, seja possível oferecer subsídios para a concretização e a avaliação de políticas públicas, bem como preservar a memória dos Jogos Escolares, oferecendo elementos para futuras investigações sobre o esporte brasileiro. 

Memória do Esporte

A proposta de elaborar um material com esta temática emergiu de uma premente necessidade. Inclusive, necessidade alertada pelo próprio Ministério do Esporte. Explica-se: via de regra, os densos conteúdos produzidos no meio acadêmico parecem não alcançar o público geral. Por outro lado, da lacuna deixada, emergem narrativas de conteúdos simplistas e duvidosos formuladas por diletantes. São infindáveis associações entre os esportes contemporâneos e práticas utilitárias, militares e religiosas da antiguidade, sem que exista qualquer vínculo comprovado por meio fontes e com vários séculos – quiçá milênios – entre uns e outros. São versões romanceadas amplamente divulgadas em sites, documentários, materiais didáticos e até em livros. Na tentativa de atenuar este problema de isolamento do meio acadêmico, os textos produzidos com exclusividade para o Projeto Inteligência Esportiva foram balizados por alguns modelos analíticos, porém, este material se destina essencialmente ao público amplo, logo, evitaram-se explicações teórico-metodológicas e, sobretudo, extenuantes citações.

A produção sobre o esporte nos programas de pós-graduação em Educação Física no Brasil

O objetivo deste subprojeto foi mapear a produção científica dos programas de pós-graduação em Educação Física – teses, dissertações e artigos Qualis –, a partir de 2010, relacionada às modalidades esportivas regulamentadas por federações internacionais, considerando o esporte em suas diferentes manifestações. Para tanto, buscou-se:  (1) Identificar os principais centros de produção de conhecimentos relativos às modalidades esportivas de uma forma geral e de cada modalidade em específico, os autores de cada trabalho, os orientadores das teses e dissertações, as principais áreas de conhecimento das produções, as principais abordagens metodológicas das pesquisas, os anos de publicação dos trabalhos, os periódicos que vem publicando os artigos e os órgãos de fomento das pesquisas publicadas. (2) Comparar os dados levantados a respeito das diferentes modalidades, temáticas, autores, orientadores (no caso das teses e dissertações), instituições envolvidas, anos de produção, órgãos de fomento, abordagens metodológicas.  (3) Disponibilizar, de forma organizada, as referências e links para os artigos compilados em repositório online de acesso gratuito.  Os resultados desta pesquisa podem servir como subsídios para o fomento e desenvolvimento de pesquisas em áreas estratégicas e mais necessitadas do esporte.  Além disso, a disponibilização online e de forma organizada das referências/links dos artigos poderá auxiliar na atuação de profissionais ligados ao esporte (técnicos, preparadores físicos, gestores, psicólogos, nutricionistas, políticos, professores de Educação Física, atletas, pesquisadores, etc.).

Gestão da Informação e do Conhecimento

Há 22 anos na internet, o Centro Esportivo Virtual é parceiro do Projeto Inteligência Esportiva, indexando os trabalhos e autores do projeto, bem como os resultados dos diversos subprojetos como Produção Científica e História dos Esportes. O CEV também dissemina informações sobre a produção e eventos do Inteligência Esportiva nos 150 grupos e entre os 45 mil cevnautas cadastrados no portal.